quarta-feira, 18 de abril de 2018

Escolha de pneus para uma big trail

É inevitável para quem gosta de rodar de moto, um dia vai ter que trocar os pneus de sua máquina. São tantas as opções existentes no mercado e por qual pneu deveremos nos decidir?

Cada motociclista tem uma característica própria para o uso da sua moto. Normalmente, aqueles que gostam de mototurismo são mais voltados ao uso de uma moto dual. Nada como uma big trail para conhecer o mundo...

Tenho amigos que já cruzaram as três Américas em cima de uma moto desse tipo e estão agora desbravando as belas estradas do velho continente. Fazendo mais amizades e tendo a oportunidade de conhecer paisagens de tirar o fôlego e ainda ganhar experiências convivendo com diversas outras culturas.

Quando possuímos uma moto para uso dual, a primeira coisa que precisamos, no momento de comprarmos um novo jogo de pneus, é definirmos muito bem como utilizaremos esses novos pisantes! Esses pneus serão utilizados mais em asfalto ou terra? Precisamos de mais gripe no asfalto molhado ou mais tração para uso na lama ou areia?

Esses são questionamentos que devemos fazer para a escolha de alguns pneus. Para facilitar, abaixo vai uma pequena pesquisa realizada em sites de fabricantes e blogs que falam algumas das principais características de pneus traseiros utilizados em maxitrail. Devo reforçar que são opiniões coletadas, baseadas em experiência própria, sem nenhum embasamento científico!

Essa matéria não visa apontar o melhor pneu para você e sua moto. O importante é sempre rodarmos com pneus em bom estado de conservação, adequados ao tipo de terreno que iremos rodar, sempre calibrados corretamente e quanto a marca ou tipo, a grande maioria das listadas abaixo são de qualidade muito semelhantes, vale a pena experimentar várias, até que você encontre aquela que mais se adapta ao seu estilo de pilotagem. 




Metzeler Karoo 3
Dedicado a pilotos que buscam aventuras e expedições off-road (10% on e 90% off). Possui bom desempenho quando utilizado em terrenos arenosos e em competições off-road. Por possuir cravos, há uma diminuição da área de contato com o asfalto, aumentando a distância de frenagem da moto em relação a um pneu on road, além de serem mais barulhentos no asfalto.

Karoo 3


Metzeler Tourance
Pneu para utilização 70% on e 30% off, possui um bom desempenho em pista seca e molhada. Possui baixo desempenho no uso na lama e terrenos arenosos e em competições quando comparado a pneus com cravos. Na minha BMW R1150GS, apresentou uma durabilidade de 23.000km.

Tourance



Metzeler Tourance Exp
Pneu para utilização 90% on e 10% off, possui um excelente desempenho no asfalto seco e molhado. Possui baixo desempenho no uso na lama e terrenos arenosos e em competições. Na minha R1200GSA, com 7.000km, já está começando a ficar “quadrado”, indicando que não terá a mesma durabilidade que obtive com o Metzeler Tourance na BMW R1150GS.
 
Tourance Exp


Metzeler Tourance Next
Pneu para utilização 90% on e 10% off, possui um excelente desempenho em pista seca e molhada. É confeccionado com bi-composto de borracha, sendo o composto mais duro na parte central, maior quilometragem de duração, e composto mais macio nas laterais, melhorando as características de gripe nas curvas. Gera menor ruído ao rodar em relação ao Tourance. Possui baixo desempenho em terrenos arenosos, lamaçal e em competições.

Tourance Next


Michelin Anakee 2
Pneu para utilização 70% on e 30% off, bom no asfalto e concreto e não faz feio no off-road. Alguns amigos que possuem big trail já usaram esses pneus e confirmam a sua qualidade e segurança. Há relatos de durabilidade, em XT 660, em torno de 15.000km.

Anakee 2


Michelin Anakee 3
Pneu para utilização 90% on e 10% off, e que, segundo o fabricante, possui uma durabilidade de 20% superior ao Anakee 2, sem falar do seu novo desenho que, apesar de lembrar e muito um pneu esportivo, confere mais segurança que o seu antecessor, principalmente no asfalto molhado, além de ser mais silencioso. Segundo o vídeo de propaganda da própria Michelin, por sua nova formulação de compostos e carcaça mais rígida, este pneu possui, pelo menos, 25% maior vida útil do que o Metzeler Tourance EXP. Há relatos de durabilidade, na DL 650 V-Strom, em torno de 22.000km.


Anakee 3



Pirelli Scopion Trail 2
Pneu com ótimo grip, no asfalto, sendo indicado para quem quer andar quase que exclusivamente on e raramente off (90% on e 10% off). Possui excelente drenagem da água, aumentando a segurança na condução no molhado. Não é indicado para uso em terrenos arenosos, lamaçal e em competições. Há relatos de durabilidade, na BMW GS 800, em torno de 16.000km.

Scopion Trail 2


Mitas E-07
Pneu para quem quer andar 60% on e 40% off. Possui boa tração em terrenos arenosos, lamaçal e cascalho. Por possuir cravos, há uma diminuição da área de contato com o asfalto, aumentando a distância de frenagem da moto em relação a um pneu on road, bem como o nível de ruído é maior. Há relatos de durabilidade, em XT 660, em torno de 15.000km.

Mitas E-07


Mitas E-09
Pneu para quem gosta de andar mais na terra (1000% off) e raramente no asfalto. Possui ótima tração em terrenos arenosos, lamaçal e cascalho. Por possuir cravos, há uma diminuição da área de contato com o asfalto, aumentando a distância de frenagem da moto em relação a um pneu on road, bem como o nível de ruído é maior. Pelo seu desenho, em asfalto molhado, o piloto não acostumado a esse tipo de pneu deve ter um cuidado redobrado quanto à aderência em curva. Há relatos de durabilidade, em XT 660, em torno de 19.000km.

Mitas E-09
Continental Trail Attack 2
No Brasil para motos, os pneus da Continental são ainda pouco conhecidos, mas são muito utilizados na Europa. Esse modelo de pneu foi feito pela Continental em parceria com a fabricante austríaca KTM. É um pneu feito para dar boa aderência e estabilidade em velocidades de até 160km/h. Segundo vários testes de revistas especializadas europeias, o pneu se comporta muito bem também no asfalto molhado. É considerado um pneu "esportivo" para motos de aventura que andam predominantemente no asfalto.

Trail Attack 2




Continental Twinduro TKC80
Concebido para uso no off-road e competições de enduro, equipa muitas das motos do Paris-Dakar. Na Europa, foi o pneu OEM do modelo BMW GS1200 Adventure. É o segundo tipo de pneu de aventura mais comercializado nos Estados Unidos. Tem ótima aderência no off-road, porém sua durabilidade é pequena, algo como 5.000/6.000km, quando também utilizado no on road. 
 

Twinduro TKC80

Embora tenha pesquisado, não encontrei um teste que envolvesse uma avaliação única, baseada em fatores padronizados e científicos, que envolvessem vários tipos de pneus voltados à utilização em big trail. Isso sim poderia ajudar muito na escolha do seu próximo jogo de pneus!

Sabemos que aqueles que querem pegar estada de terra terão que optar por pneus que possuem cravos, beneficiando-se da sua performance em estradas não asfaltadas e sendo penalizados, muitas vezes, ao rodar no asfalto. Isso é a realidade!

Esse negócio de ter um pneu que roda 80 ou 90 % on e o resto off, na minha opinião é papo furado. As próprias fábricas de pneus estão chegando a essa conclusão e fazendo produtos para utilização, em big trail, voltados praticamente para uso somente em asfalto. Basta ver o caso do Metzeler Tourance Next e do Michelin Anakee 3. Eles são lançamentos recentes e com utilização em asfalto, sendo bons em durabilidade, bom gripe no seco e no molhado e aumentando a segurança da grande maioria dos motociclistas que utilizam as suas maxi trail praticamente só on, além de serem muito mais silenciosos.

O mercado mundial de big trail vem crescendo em volume de produção e modelos de motos a cada ano, pois a procura por máquinas que proporcionem aos seus pilotos e garupas grande conforto e segurança, em viagem, está cada vez maior! Afinal, é essa praticamente a maior utilização atual de uma moto desse tipo! 

Sendo assim, mesmo após todas essas considerações, o melhor ainda é a pesquisa e a experiência que você pode trocar com os seus amigos!

Bons passeios!



DICAS!

1 - É importante lembrar que pneus novos possuem uma camada protetora que os tornam escorregadios nos primeiros quilômetros de rodagem;

2 - Para a sua segurança e bom desempenho da sua motocicleta e dos pneus, as medidas recomendadas pelo fabricante da sua moto devem ser sempre respeitadas; e

3 - Nunca é demais ressaltar que, tão importante quanto escolher os melhores pneus é estar protegido com os artigos de segurança como jaquetas, capacete, botas e luvas. Esses equipamentos garantirão a sua segurança. E aí, a diversão, na sua viagem, estará garantida!

Na tabela a seguir, você poderá ter a visualização mais direta do uso recomendado dos pneus indicados para as motos big trail.

http://mototurismo.pagezz.net/rubatxpneus/
 

terça-feira, 20 de março de 2018

Pneu tem prazo de validade?



Pneu tem prazo de validade?

Imagine que você está comprando uma moto usada. Entre os muitos pontos que você vai observar – como condição da pintura, estado das carenagens, rodas, níveis de ruído e vibração, parte elétrica, motor, relação, etc – um dos mais importantes é o estado dos pneus. Como você faz isso? Será que basta ver se eles estão pouco rodados?
Muitas pessoas diriam que sim e, obviamente, o desgaste do pneu é algo importante a ser analisado, seja na procura de uma moto usada ou mesmo na sua manutenção. Mas se você pensa que apenas isso basta, está se esquecendo de algo muito importante: assim como a grande maioria dos produtos que consumimos, os pneus também têm prazo de validade.
Pensando nisso, vamos falar um pouco sobre os motivos desse prazo de validade, como encontrar essa informação num pneu, os riscos envolvidos ao se ignorar esse fator e como isso afeta a compra de pneus novos ou usados.
Se eu rodo pouco com a minha moto e, consequentemente, há pouco desgaste dos pneus, qual o objetivo de um prazo de validade? Na verdade, essa data serve para nossa própria segurança. Todo mundo entende o que leva um fabricante a colocar prazos como esse em seus produtos: a passagem do tempo afeta tudo, e algo pode não funcionar ou servir para o seu propósito após esse limite.
No caso dos pneus, não é diferente. A composição deles, basicamente, envolve uma mistura de dezenas de tipos de borracha (sejam elas naturais ou sintéticas) e outros ingredientes. Além disso, a parte interior do pneu utiliza, em sua construção, nylon, poliéster e até aço.
Por isso, além do desgaste pelo uso (gerado pelo contato da borracha com o piso), também devemos levar em conta a ação do tempo e as variações de temperatura e do ambiente, que também fazem esses compostos se deteriorar e perder sua validade.
Como comparação, analise a situação de duas motos compradas, no mesmo dia, após 5 anos de uso. Uma delas sempre ficou numa cidade pequena, no interior do estado, e rodando numa região serrana de clima ameno. A outra, numa cidade litorânea que apresenta altas temperaturas.
A situação do segundo certamente estará pior, pois foi afetada pela maresia e a alta temperatura do asfalto. Quando seus compostos de um pneu “estragam”, ele pode ressecar, perder sua flexibilidade original e principalmente a aderência em curvas e piso molhado.
Como encontrar a data de validade de um pneu?
Diferente de outros produtos, você não vai ver uma data específica no pneu, indicando seu prazo de validade, que por norma é de cinco anos.
O que você encontra em um pneus é a semana e o ano de sua fabricação. Acrescente a isso os cinco anos e você terá a data de validade do pneus.
Para tanto, basta olhar, na lateral do pneu, onde você vai ver uma série de letras e números que dão todas as informações que o motorista precisa saber, como suas dimensões, características de desempenho, o tipo de construção e o limite de peso e velocidade daquele produto.
Mas onde encontrar a data de fabricação? Procurando na lateral do pneu você verá a palavra DOT (que significa Department of Transportation, ou Departamento dos Transportes, dos Estados Unidos), que identifica o órgão que instituiu esse tipo de marcação. Ao lado dessa palavra está uma série letras e números. Os últimos quatro dígitos são sempre numéricos, e eles mostram quando o pneu foi feito.
Fabricado na 18ª semana de 2014

Aí sim você saberá a data aproximada máxima para trocar aquele pneu.
Fabricado na 10ª semana de 2001

No caso do pneu da foto acima, esperamos que ninguém esteja rodando com ele, pois sua validade acabou na 10ª semana de 2006.
E se o pneu não for trocado, mesmo após o prazo de validade?
Como qualquer outro produto, o pneu não terá mais suas características originais após seu prazo de validade expirar. Se alguém insistir em rodar com ele mesmo assim, estará correndo alguns riscos. Um pneu vencido perde sua capacidade de aderência, tendo os mesmos problemas de um pneu careca.
Além disso, ele fica mais propenso a furos e bolhas, podendo estourar a qualquer momento. Um último perigo é que os pneus vencidos podem ter sua estrutura deslocada com mais facilidade, o que poderia interferir no controle da sua moto.
É claro que a maioria dos motoristas precisa trocar os pneus por desgaste, não chegando até essa data. Nesse caso, é importante observar a profundidade dos sulcos, que não podem ser menores do que 1,6 milímetro. Para conferir isso, basta procurar pelos ressaltos que existem dentro dos sulcos, próximos a onde está a sigla TWI (Tread Wear Indicator), na lateral do pneu.
Mas se você costuma rodar muito pouco, no seu dia a dia, ou tem uma moto de colecionador, que só sai da garagem aos domingos, fique mais atento ao prazo de validade. Isso também é importante quando voltamos ao assunto do começo do texto, ou seja, quando vamos comprar uma moto usada.
Não basta apenas analisar o desgaste do pneu; é importante observar sua data de fabricação. Se ela ocorreu há algum tempo, vale à pena colocar isso na negociação, pois é um custo certo que você terá em breve.
Como esse fator deve influenciar na compra de um pneu novo?
Se muitas pessoas não sabem que um pneu tem prazo de validade, vendedores mal-intencionados podem colocar produtos “vencidos” (ou próximos de vencer) nas prateleiras, como se fossem pneus novos recém fabricados.
A aparência, nesse caso, engana facilmente, pois eles realmente vão parecer novinhos, já que nunca tiveram qualquer desgaste. Por isso é importante ficar atento a esses números, mesmo que você estiver numa loja conhecida, ou especialmente quando o pneu em questão estiver sendo vendido por um preço muito abaixo da média.
Cuidado nunca é demais!

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Paixão por motos

Não existe motociclista que não entenda de mecânica! Mesmo sem ter a mecânica de motos como profissão, a paixão por essas máquinas nos leva a aventurarmos e descobrirmos pequenos reparos, sanando defeitos que por ventura aflijam nosso objeto de amor.

Reparar a própria motocicleta é, para o motociclista apaixonado, uma extensão do prazer que ele sente ao pilota-la. Ficamos frustrados quando não conseguimos e temos de recorrer e entrega-la a um estranho: o mecânico...


Sentado num banquinho, mexendo nos parafusos e regulagens, ouvindo o ronco de seu escape, atento a qualquer outro estranho barulho, tudo prolonga e posterga à espera do momento da ignição, da aventura, da liberdade.



Bons passeios!!!

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Cuidados com as linhas de pipa com cerol.



Prezados amigos motociclistas.

Estamos vendo, na imprensa, inúmeros casos de motociclistas atingidos por linhas de cerol.

Isto é uma temeridade, pois além de todos os problemas de segurança enfrentados por nós, ainda temos que lidar com esse mal que atinge principalmente aos motociclistas.

Já que as autoridades constituídas não conseguem acabar com esta mazela, precisamos nos proteger a qualquer custo!

Para não sermos a "a bola da vez", precisamos, antes de tudo, pilotar sempre equipados e manter a tranquilidade na condução de nossas motocicletas, seguindo algumas dicas:

1. Em primeiro lugar, instale a anteninha anti-cerol. Se sua moto ou scooter não o tiver, instale-o o quanto antes, preferencialmente uma ao lado de cada retrovisor;

2. Se possível, mude o seu percurso diário de modo que não passe perto de bairros pobres ou favelas, pois são nesses lugares onde há maior incidência de pipa com cerol (não é preconceito: é realidade!);

3. Se não for possível mudar o percurso diário, há algumas recomendações:

a) Diminua a velocidade;

b) Faça uma rápida "varredura visual" no céu; se tiver pipa, fique ainda mais alerta;

c) Abaixe o seu corpo, de modo que a cabeça esteja o mais próximo possível do painel (como os pilotos da MotoGP). Às vezes, você pode se salvar do cerol adotando-se essa postura; e

d) Se estiver numa rodovia e ver um monte de crianças empinando pipa na beira da estrada, avise a polícia rodoviária. Beira de estrada não é local para brincadeiras.

Andar de moto é gostoso e seguro, desde que com segurança e prudência.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Só entende quem ama andar de moto!

Comprei uma moto por um sonho pessoal...
Um dia vou vendê-la por um sonho em comum...
Conheci pessoas que me ensinaram algo e têm o mesmo espírito...
Conheci outros que me alegro de vos ter esquecido...
Já me molhei...
Tive frio...
Tive calor...
Eu ri muito dentro do capacete...
Já falei mil vezes comigo mesmo...
Cantei e gritei de alegria como um louco...
E sim...às vezes chorei...
Já vi lugares maravilhosos e vivi experiências inesquecíveis...
Muitas vezes fiz curvas que até o valentino ficaria orgulhoso...
Outras vezes fiz curvas no terror...
Parei mil vezes para ver uma vista...
Eu falei com perfeitos desconhecidos, e esqueci de pessoas que vejo todos os dias...
Saí com os demônios dentro...
E voltei para casa com a paz no coração...
Todas vezes pensei que era perigoso, sabendo que o significado de coragem é avançar mesmo sentindo medo...
Todas as vezes que subo na minha moto, penso no quão maravilhoso é...
Parei de falar com quem não entende...
E passo as horas a fazer isto com alguém cuja comunicação principal é através de gestos...
Gastei dinheiro que não podia, com renúncias e sacrifícios...
Mas todas essas coisas não valem um momento em que estou em cima da minha moto...
Não é um meio de transporte nem um pedaço de ferro...
É a parte perdida da minha alma e do meu espírito...
E a quem me diz: Tens de vender, tens de crescer e ser uma pessoa séria...
Eu não respondo...
Simplesmente baixo a cabeça 
E sorrio.

Só entende quem ama andar de moto!

Desconheço a autoria. 
Mas Parabéns, muito bom o texto.


terça-feira, 17 de outubro de 2017

ALIMENTAÇÃO EM VIAGENS LONGAS DE MOTO.

Vejam este excelente texto do Policarpo Jr - RockRiders.com.br sobre a alimentação em longas viagens de moto. Muito bom!

Os conselhos abaixo podem ser utilizados por todos, mas aplicam-se especialmente quando viajamos por longas distâncias por vários dias seguidos na estrada.
Uma coisa é realizar um passeio "gastronômico", tipo um bate volta para alguma cidade próxima e logo estar de volta em casa no final da tarde. Ou ir a um encontro de motociclistas e se empanturrar de tanto comer carne. Tranquilo, se você julgar adequado, pode se esbanjar em situações como essa, já que se passar mal, está pertinho de casa, conseguirá facilmente resolver seu problema.

A outra, bem diferente, é passar vários dias, semanas ou até mesmo meses fora de casa, cruzando regiões longe do próprio país, nesses últimos casos precisamos ter mais cuidados com a alimentação.
Esse texto não visa ser um guia contendo os melhores alimentos ou mesmo para te sugerir um "cardápio diário saudável para sua longa viagem". É apenas para levantar a importância de se preocupar com uma alimentação adequada durante uma longa viagem. Se possível, informe-se mais buscando outras informações a respeito. No mais, não tem muitos mistérios, basta usar do seu bom senso.
A alimentação incorreta pode ser um dos nossos maiores inimigos durante uma longa viagem, um problema alimentar pode interromper a viagem. Isso inclusive já aconteceu comigo, no norte do Peru, após comer "camarão", que depois descobri que estava estragado e tive que ficar por quase uma semana na cama de um hotel. Foi depois disso que comecei a dar mais atenção ao que comer durante uma longa viagem.
Existe um conceito não muito confiável de que a alimentação em viagem deve ser sempre leve. Correto até certo ponto. Um motociclista em viagem, tem grandes perdas de sais minerais, água e outros componentes vitais ao funcionamento orgânico, que precisam de reposição constante.
Líquido sempre em quantidade, porém, não confundir, pois a referência feita é água. Água pura apenas, sem adicionamento de limão ou qualquer outra coisa. Qualquer outro líquido irá exigir dos rins uma filtragem imprópria para a posição da maior parte do tempo de viagem.
Legumes também são saudáveis de preferência consumidos cozidos ou in natura, nesse último caso é preciso de atenção a sua limpeza. Já as verduras, há que se tomar alguns cuidados. Grande parte das verduras possuem propriedades que podem ocasionar problemas em uma viagem. Por exemplo, a nossa conhecida alface, tem em sua composição a lactucina, que é um indutor do sono. Dependendo do consumo e do trecho a ser percorrido, o consumo da alface poderá induzir a um estado de sonolência.
O ideal é um cardápio variado, evitando-se de forma geral as frituras e gorduras em excesso. Entretanto, convém lembrarmos também, que um outro fator agravante ao risco da pilotagem, é a sensação de fraqueza, e aí entra o outro lado da história. Do hábito alimentar.
Uma pessoa acostumada a alimentos pesados, calóricos, se alterar seu hábito em uma viagem, irá sentir um estado de fraqueza, que poderá ocasionar tonturas, sensação de sono (o organismo busca alternativa para suprir a necessidade de alimentos), dores de cabeças de moderada a intensa, ressecamento da mucosa bucal, etc. Ou seja, torna-se extremamente perigosa a pilotagem.
Não existem dois organismos iguais, portanto, acima de qualquer orientação, não altere de forma radical seu hábito alimentar em uma viagem. Faça isso de forma regular e sequente, no seu dia a dia normal, o ideal é começar alguns dias ou semanas antes de partir para sua longa viagem.
Durante uma longa viagem, dessas que cruzamos alguns países, por exemplo, da América do Sul, precisamos evitar alguns tipos de alimentos, camarões, frutos do mar e gordurosos estão entre eles. É preciso muito cuidado, principalmente em países como a Bolívia, Peru e Equador, onde o manuseio dos alimentos, muitas vezes, não são assim tão bem cuidados. É preferível comer algumas barras de cereais, frutas, do que em beira de estrada nesses países se arriscar com alimentos feitos de formas duvidosas. É preferível comer arroz e frango, do que alimentos mais "elaborados" em locais de estrutura ruim.
Um problema frequente em motociclistas é a hipoglicemia. Andar de moto em alguns casos gera adrenalina e essa queima açúcar. Se não temos açúcar para queimar, o problema pode surgir, gerando até mesmo uma perda momentânea da consciência, no caso de estar pilotando uma moto, o seu descontrole, ocasionando um acidente. Barras de cereais e frutas evitam a falta de açúcar no sangue. Se não é diabético(a), comer um chocolate de vez em quando não lhe fará mal.
No caso de você passar mal, além de usar os remédios que deve sempre levar em longas viagens (vide aqui um texto a respeito disso), beba água e se não tiver conseguindo comer nada, vá num supermercado ou mercearia e compre aquelas "papinhas da Nestlé" (para bebês) comercializadas em pequenos frascos de vidro, são dos poucos alimentos que não lhe fará nenhum mal em momentos como "diarreias" por exemplo.
Acima de tudo é imprescindível que o motociclista tome muita água. Água pura natural. Atualmente com tantas inovações em roupas especiais, há uma perda de líquido muito superior as vestimentas tradicionais, e não são raros os casos de desidratação entre motociclistas. Portanto, o cuidado com as roupas apropriadas a época, também é de extrema importância, mas ai já é assunto para outro texto...



Fonte: Texto por Policarpo Jr - RockRiders.com.br

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Andando de moto nos corredores.



Atualmente, o trânsito das grandes cidades está uma verdadeira loucura. Cada veículo parece ter “comprado” o seu espaço no asfalto e não está querendo ceder para ninguém. É uma verdadeira batalha!
Muito se tem pensado e discutido a respeito de como melhorar o ir e vir das pessoas, mas num país que pouco investe em transporte público de qualidade, só resta uma alternativa viável – a moto.
Andar de motocicleta dá agilidade nos deslocamentos e faz com que a gente possa efetivamente se planejar em matéria de horário. A agilidade da moto, muitas das vezes, é contraposta pela sua insegurança, seja pela vulnerabilidade de ser furtada, seja pela fragilidade imputada ao seu condutor.
Independente desses atributos, o fato é que, nas grandes cidades, a agilidade, em meio ao trânsito caótico, é um ponto fundamental ao optarmos por este meio de transporte.
Essa agilidade está ligada diretamente a utilização dos famosos corredores. Mas será que existe alguma ilegalidade na sua utilização?
Alguns motociclistas vem sendo multados, principalmente pela Polícia Rodoviária Militar de São Paulo com base no artigo 192 da Lei nº 9.503/97 que rege:
Art. 192. Deixar de guardar distância de segurança lateral e frontal entre o seu veículo e os demais, bem como em relação ao bordo da pista, considerando-se, no momento, a velocidade, as condições climáticas do local da circulação e do veículo:
Infração - grave;
Penalidade - multa.
A própria concessionária CCR AutoBAn vem distribuindo o folheto abaixo, nos pedágios das rodovias administradas por ela, alertando aos motociclistas para este fato e que estarão sujeitos a multa. 
O fato é que este artigo pode até estar sendo aplicado nas rodovias estaduais, mas se levado para dentro das cidades, fará do trânsito um caos ainda maior, pois as motos deverão andar como se fossem carros, aumentando ainda mais os congestionamentos.

Regra de utilização dos corredores efetivamente não há. O que existe é um Projeto de Lei 2650/2003, de autoria do Deputado Marcelo Guimarães Filho - PFL/BA, Apresentado em 02/12/2003, que está aguardando Deliberação de Recurso na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA), portando sequer foi votado, onde estarão regulamentadas as regras de uso dos corredores.

Enquanto isso, cabe aos motociclistas adotar alguns cuidados em relação ao uso dos corredores nas ruas das cidades. Procure sempre seguir essas dicas:
1 – andar sempre equipado e com os faróis ligados;

2 – somente utilizar os corredores com o trânsito parado;

3 – andar em baixa velocidade nos corredores;
4 – se for entrar em um corredor, pare e olhe para ver se vem alguma moto nesse corredor. A quantidade de carros e o espaço restrito, não deixam que o motociclista visualize corretamente somente utilizando os retrovisores;

5 – com o trânsito em movimento, não corte entre os carros e permaneça vendo o motorista do carro da frente pelo retrovisor dele. Assim, você terá a certeza que ele também poderá vê-lo;

6 – quando estiver no corredor, procure visualizar a roda da frente dos carros, pois o motorista pode querer mudar de faixa, sem dar a seta, e você vai poder se prevenir com maior antecedência;
7 - Vias molhadas exigem atenção redobrada, pois além de representarem perigo para motociclistas, ainda aumentam a distância de frenagem da moto;

8 - Tenha cuidado com portas de automóveis se abrindo e evite trafegar próximo a garagens e estacionamentos. Os acidentes mais comuns acontecem nestes locais;

9 - Não siga ambulâncias, viaturas de polícia ou bombeiros. Ir "no vácuo" de um veículo de emergência aumenta o risco de fechadas e a prática ainda é proibida; 

10 - Nunca se mantenha entre dois veículos de maior porte, pois você corre o risco de não ser visto por eles; e

11 – Nunca ultrapasse entre um veículo e a calçada.


Quem andou de moto, fora do Brasil, já deve ter se deparado com a figura do “corredor” nas grandes cidades. Uma coisa é fato: - aqui, os motociclistas abusam dessa facilidade e, na maior parte dos casos, conduzem suas motos com imprudência!

Andar de moto, antes de outra coisa, é curtir a vida e aproveitar o que há de bom nela!

Vá com calma sempre...

Carpe Dien!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Dicas de Segurança para Viagem em Grupo de Motos.

Como é bom viajar com amigos. Se for de moto, é muito melhor!

A finalidade deste post é lembrar ao nossos amigos motociclistas algumas dicas de como se posicionar com a sua moto nas viagens em grupo.

Como uma foto vale muito mais do que mil palavras, procure observar os desenhos abaixo e repasse essas informações para os seus amigos quando estiverem se deslocando em grupo. Tenham certeza absoluta que a segurança do seu deslocamento aumentará muito e a tensão de andar perto de outras motos irá diminuir tremendamente!

Bons passeios e aproveitem o seu dia! Viva este presente de Deus!!!








 Veja também este vídeo da Honda com boas dias para viagens em grupo de moto!

https://www.youtube.com/watch?v=Rr30_aKqQk8